Skip to content

CGD. Os quatro compromissos do governo e o alerta do ministro

Governo quer “dotar a CGD de um plano de negócios credível, exigente e ambicioso” mas Centeno avisa: “Não falarei deste plano nesta comissão”

In: Dinheiro Vivo, 29 julho 2016

Mário Centeno, ministro das Finanças, apresentou esta tarde os quatro compromissos do governo, enquanto acionista, para o futuro da Caixa Geral de Depósitos. O governante encontra-se esta tarde a responder aos deputados da Comissão Parlamentar de Inqúerito à Recapitalização do banco público e já afirmou aos deputados: “Não falarei do plano de negócios da CGD nesta comissão.”

“O que o governo pretende realizar na CGD é um projeto que acredita ser único na história da instituição”, começou por referir Mário Centeno. Este projeto, garantiu, “contribuirá para o reforço da credibilidade” do banco mas também do sistema financeiro e da economia portuguesa. Centeno passou de seguida para a defesa da revisão do modelo remuneratório da CGD – que acaba com os limites antes existentes – e também da nova equipa que pretende colocar à frente do banco público.

Segundo Centeno, os novos gestores que irão liderar o banco público “estarão concentrados na atividade bancária”, sendo este “um primeiro de quatro compromissos” do accionista para a CGD. É para que estes gestores estejam concentrados na atividade do banco, disse Centeno, que foram alteradas as regras relativas aos salários na CGD.

“A remuneração dos gestores empresariais traduz o seu contributo esperado para o sucesso da empresa e o grau de responsabilidade e envolvimento no plano de negócio. É este princípio que determina que o Presidente da Comissão Executiva de uma empresa seja o executivo mais bem remunerado, seguido dos vice-presidentes executivos e dos vogais”, explicou. Garantindo: “O modelo que estava em vigor não garantia, nesta perspetiva, a correspondência entre as funções exercidas e o nível salarial auferido.”

De acordo com o ministro, o executivo decidiu apenas “adotar na CGD um modelo de fixação de remunerações em linha com as práticas do setor.

Plano de negócios

“Dotar a CGD de um plano de negócios credível, exigente e ambicioso quanto ao serviço e qualidade da atividade” foi o segundo compromisso nomeado por Mário Centeno para o banco público. “Este plano de negócios tem sido objeto de uma análise absolutamente exaustiva e rigorosa, em diálogo constante e construtivo com as autoridades europeias.” E anunciou desde logo aos deputados: “Não falarei deste plano nesta comissão. Assim que oportuno divulgaremos os detalhes e alcance do plano.”

Mário Centeno referiu entender que “as discussões e mediatização que este plano tem gerado” mas, apontou, não irá acrescentar mais ruído ao tema. “Mas estejamos todos conscientes, como já disse em outras situações, que a qualidade do plano será revista por entidades externas, independentes, a pedido do Governo, à nova administração e, ainda, por acordo com as autoridades europeias.”

“A manutenção da CGD como banco 100% público” foi o terceiro compromisso assumido por Mário Centeno aos deputados da CPI, com o quarto compromisso a ser definido para a relação com “os trabalhadores, colaboradores e clientes da CGD, em benefício dos quais estamos a trabalhar e confiantes de que as transformações que desenhamos vão ao encontro de uma instituição financeira mais robusta, capitalizada, pronta para enfrentar os desafios do futuro.

Anúncios

Comentar

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: