Saltar para o conteúdo

Aumento do IRS e cortes salariais levam até 850 euros/ano desde 2011

Um salário mensal de 1124 euros caiu 10 euros desde 2011, valor ao qual se deve acrescentar outro corte mensal de 50 euros por via do IRS

O ganho médio bruto mensal dos trabalhadores em Portugal passou de 1 134 euros em Abril de 2011 para 1 124 euros em Abril de 2013, segundo dados do Ministério da Economia. Esta perda mensal de dez euros transforma-se, ao longo de 14 meses, num recuo anual de 140 euros.

A sangria salarial, contudo, não se ficou por aqui. Se ao recuo dos salários juntarmos o impacto dos aumentos de IRS postos em prática pelo governo, então as perdas de rendimento dos trabalhadores em Portugal crescem substancialmente. Pegando no valor médio de Abril de 2013, os tais 1 124 euros que até coincidem com um dos patamares de IRS, e cruzando-o com as taxas cobradas a este nível salarial em 2011 e depois em 2013, conclui-se que a carga fiscal mensal passou de 112 euros para perto de 163 euros – para um contribuinte sem dependentes.

Contas feitas à totalidade de um ano, falamos em mais 708 euros cobrados em IRS em 2013 face ao que acontecia em 2011. Acrescentando ao aumento do peso do IRS a queda do próprio ganho médio bruto, então podemos estar a falar de um impacto total de 848 euros anuais para um trabalhador sem dependentes que permaneceu no mesmo escalão neste período. Em termos mensais, a perda líquida é de pelo menos 60 euros. As contas à evolução do peso do IRS nos salários têm por base as taxas cobradas pelo Estado a nível deste imposto, sendo de salientar as condicionantes que esta taxa pode acarretar, consoante falamos do Continente, ou dos Açores e Madeira ou em função do número de dependentes. Imaginando o mesmo rendimento de 1124 euros, mas de alguém com três dependentes, então o IRS mensal sobre este salário terá passado de 79 euros em 2011 para 118 euros em 2013 – um aumento anual de 550 euros.

Estes valores podem ainda ser cruzados com a evolução das receitas do Estado com o IRS, que passaram de 9,8 mil milhões em 2011 para 12,3 mil milhões. Este aumento verifica-se apesar da destruição de postos de trabalho ao longo destes anos: se em 2011 a população empregada rondava 4,8 milhões, em 2013 estava nos 4,5 milhões. O contributo de cada trabalhador para o IRS terá assim crescido mais que a própria receita do imposto. Se em 2011 o total da cobrança de IRS dividido pelo total de trabalhadores apontava para um contributo anual de 2040 euros por empregado, em 2013 este valor já ascendia a 2735 euros.

in: Jornal i, 3 Abril 2014

Anúncios

Comentar

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: