Skip to content

Vodafone contra OPA à PT mesmo com remédios

António Carrapatoso manifestou-se ontem à noite contra a aprovação da OPA da Sonaecom sobre a Portugal Telecom (PT) mesmo que esta seja alvo de inúmeros «remédios» por parte da Autoridade da Concorrência (AdC).

in: Jornal de Negócios, 01 de junho de 2006

Ler também: 

Vodafone quer mais quota em Portugal

«Imposições distorcem o mercado»

 

António Carrapatoso manifestou-se ontem à noite contra a aprovação da OPA da Sonaecom sobre a Portugal Telecom (PT) mesmo que esta seja alvo de inúmeros «remédios» por parte da Autoridade da Concorrência (AdC).

Para o presidente da Vodafone Portugal a imposição de várias condicionantes à operação «não torna o mercado mais flexível nem mais transparente», antes pelo contrário, tendo ainda realçado que a sua operadora não é contra a OPA «apenas por causa da posição dominante» que resultaria da fusão TMN/Optimus.

Segundo o líder da Vodafone, que foi o convidado de ontem do jantar promovido pela APDC (Associação Portuguesa para o Desenvolvimento das Comunicações), «não pode haver regime de compensação» na análise à OPA, já que estão em causa «mercados separados» (fixo e móvel) não sendo apenas isso que torna esta operação «negativa para o mercado e para nós».

Distribuição preocupa

O reforço da posição dominante da Sonae ao nível da distribuição foi outro ponto «negativo» apontado por António Carrapatoso, que alertou para o facto de «já hoje sentirmos dificuldade em colocar lojas nos espaços da Sonae, por isso imaginamos como vão ser as dificuldades para colocar lojas com a fusão PT/Sonarecom».

Também ao nível dos conteúdos o convidado da APDC apontou problemas concorrências independentes à eventual imposição de remédios por parte da entidade de Abel Mateus. «Até que ponto é que ficamos em posição mais desfavorável do que já temos hoje em dia?» questionou aos seus ouvintes.

O presidente da Vodafone portuguesa ainda aproveitou, durante o seu discurso, para «desacreditar» um dos «pontos-fortes» da Sonaecom para justificar a fusão TMN/Optimus.

«Não aceitamos o argumento que é precisa a fusão para concorrer com grandes operadores europeus» afirmou, defendendo que «é muito mais relevante ter economias de escala nacionais do que internacionais… Claro que há vantagens nestas últimas, mas é mais relevante ter economia de escala a nível nacional» defendeu, contestando a ideia da Sonaecom de criar economias de escala entre todas as operações internacionais da Portugal Telecom. Esta razão, diz Carrapatoso, «não é válida».

Um outro facto que preocupa o líder da Vodafone prende-se com «o maior poder negocial» que teria um grupo que controlaria «75% do mercado das telecomunicações nacionais». «Até que ponto isso é bom para o mercado?» pergunta.

Nem com remédios

António Carrapatoso definiu durante o jantar de ontem da APDC oito possíveis «remédios» que a AdC poderia colocar à operação: Abertura aos operadores virtuais (MVNO); Imposição de preços grossistas; Forte escrutínio por parte da AdC e da Anacom no acesso à rede de distribuição e à área de conteúdos; Separação da parte grossista e retalhista da PTC; Venda das operadoras “no-frills” (neste caso a Rede4 ou a Uzo); Nova licença móvel e “obrigar a Sonae a vender parte da rede de hipermercados”. Mas, segundo o próprio, nem com tudo isto “a operação seria positiva para o mercado nacional”.

No entender do presidente da Vodafone Portugal a imposição de uma séria de «remédios» só iria tornar o mercado menos flexível.

Quanto ao possível interesse da Vodafone em comprar uma das redes da Portugal Telecom (cobre ou cabo), António Carrapatoso começou por apontar a rede de cobre como a «mais essencial», já que «a de cabo está parcialmente montada em cima desta», tendo posteriormente referido que a Vodafone não irá, «em princípio», avançar para a aquisição de qualquer uma das redes.

Relembre-se que já anteontem Arun Sarin, presidente do Grupo Vodafone, tinha descartado por completo a aquisição de qualquer empresa da rede fixa: «Está bem claro que não vamos adquirir qualquer empresa do negócio fixo na Europa» afirmou em entrevista publicada no próprio site da Vodafone.

Anúncios

Comentar

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s

%d bloggers like this: