Saltar para o conteúdo

Empresa chinesa compra ativos do ramo de manutenção da TAP em Porto Alegre

Aposta no negócio de manutenção da Varig trouxe mais de 400 milhões de euros em perdas para a TAP desde 2007. Depois de fechar unidade se Porto Alegre, companhia vende recheio. Mas não revela valores.

in:ECO, 25 abril 2019

A empresa chinesa Flightparts Component Services fechou um acordo com a TAP para a aquisição dos ativos da operação de manutenção e engenharia (M&E) da companhia aérea em Porto Alegre, Brasil, que foi encerrada no final do ano passado. Contactada pelo ECO, a transportadora confirmou o negócio, mas não adiantou os valores envolvidos. “A TAP só vendeu ativos (equipamentos, ferramentas e estoque) de que não necessitava, sendo que a unidade de Porto Alegre já foi encerrada no final do ano passado.”

No final de 2018, e já depois de várias tentativas de reestruturação deste investimento no Brasil, a TAP decidiu fechar de uma vez o ramo de manutenção em Porto Alegre, retendo apenas a operação da M&E no Rio de Janeiro. A TAP M&E Brasil nasceu depois da administração da companhia aérea portuguesa, então liderada por Fernando Pinto, ter decidido avançar para a compra da manutenção da Varig, em 2005. Desde então e até ao final de 2018, esta aposta trouxe mais de 430 milhões de euros em perdas para a transportadora, exigindo a injeção de dezenas de milhões de euros anualmente.

Em outubro de 2018, a TAP anunciou a intenção de fechar a operação em Porto Alegre, que concretizaria no final do ano, justificando a decisão com “falta de procura”. Esta unidade era uma das maiores em toda a América do Sul, tendo chegado a empregar 2.700 trabalhadores, espalhados por cinco hangares, sendo uma das poucas da região credenciada para fazer a manutenção aos aviões da Boeing, Airbus e Embraer. A fabricante brasileira chegou a manter conversas com a TAP para a compra desta unidade, em 2013, mas o negócio acabou por não avançar.

As instalações ocupadas pela TAP M&E no Aeroporto Internacional Salgado Filho, em Porto Alegre, não eram detidas pela companhia, estando antes concessionadas pela gestora do aeroporto, razão pela qual não surgem incluídas no negócio celebrado entre a TAP e a Flightparts — a empresa chinesa também assumiu as instalações, mas negociando a concessão das mesmas com a alemã Fraport.

De acordo com declarações do diretor do Sindicato dos Aeroviários de Porto Alegre, Osvaldo Rodrigues, aquando do anúncio da saída da TAP de Porto Alegre, a entrega da gestão deste aeroporto à Fraport, pode também ter sido um fator na decisão da transportadora aérea de fechar as instalações. “Quando entrou a Fraport, houve imensas dificuldades na negociação do contrato. O valor é muito mais alto do que aquele praticado antes”, explicou Osvaldo Rodrigues aos meios de comunicação brasileiros, em outubro.

M&E Brasil: Primeiro lucro operacional em 2019, promete TAP

Independentemente das razões, certo é que o encerramento da operação em Porto Alegre se inseriu na reestruturação da operação da TAP M&E no Brasil, que exigiu 28 milhões de euros só em 2018. A reestruturação fez com que entre o final de 2017 e o final de 2018, tenham saída da empresa 944 colaboradores, reduzindo os quadros a 742 pessoas. Além do corte no pessoal, a companhia aérea apostou igualmente em fechar uma série de processos laborais e fiscais que envolviam a TAP M&E no país.

“Em 2018, a TAP M&E Brasil foi também objeto de um trabalho persistente da Comissão Executiva que resolveu (…) investir para acabar com o problema crónico da TAP M&E Brasil“, explicou a administração da TAP aos colaboradores aquando da divulgação dos resultados de 2018.

“Foi desenhado um plano de equilíbrio do quadro da TAP M&E Brasil face à procura existente no Brasil, que passou pela redução de efetivos de 1.686 colaboradores, em dezembro de 2017, para 742 em dezembro de 2018, representando a saída de 944 trabalhadores no Brasil, com o encerramento da base operacional em Porto Alegre e a concentração dos serviços no Galeão, no Rio de Janeiro”, acrescenta a administração. As saídas foram negociadas com o acordo dos sindicatos brasileiros e permitiram “eliminar 34 milhões de euros de contingências laborais e passivo fiscal, segundo avaliação de consultores independentes”.

Todo este esforço, assegurou ainda a gestão da TAP, trará frutos já este ano: “Esta restruturação permite que a TAP M&E Brasil passe a operar, em 2019, sem necessidade de contribuições financeiras pela TAP SGPS e apresentar um orçamento para 2019 que prevê um modesto, mas simbólico, lucro operacional”.

Anúncios

Comentar

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: