Skip to content

Grécia. Tsipras arriscou tudo para que tudo ficasse na mesma. E ficou

Syriza vence eleições com 35,5% dos votos contra os 28,2% da direita conservadora. Tsipras vai repetir coligação de governo fechada em Janeiro, com ANEL – Gregos Independentes

São várias as vitórias que Alexis Tsipras celebra com as eleições deste domingo mas todas com um travo amargo. O icónico líder da esquerda grega (e europeia) viu renovada a confiança dos eleitores gregos, ganhou um mandato renovado e adaptado ao terceiro resgate, arrasou os dissidentes internos e ainda viu o anterior parceiro de coligação, o ANEL, obter votos suficientes para assegurar a renovação da aliança. O Syriza conseguiu perto de 35,5% dos votos, contra os 28,2% da Nova Democracia.

“Amanhã de manhã, em conjunto com o primeiro-ministro grego, começaremos a trilhar o caminho para uma nova coligação”, reagiu Panos Kammenos, líder do ANEL, que pouco depois subia ao palco onde Tsipras fez o discurso de vitória. “Hoje, na Europa, a Grécia e os gregos são sinónimos de resistência e dignidade e vamos continuar a lutar juntos nos próximos quatro anos”, disse Alexis Tsipras no discurso de vitória.

As celebrações têm no entanto um travo amargo, repetimos, e este foi rapidamente recordado por Martin Schulz, presidente do Parlamento Europeu, e Jeroen Dijsselbloem, líder do Eurogrupo, com ambos a congratular a vitória de Tsipras mas lembrando que “agora com um governo sólido é hora de avançar com as medidas rapidamente.” Reformas à Segurança Social, vender tudo ao desbarato, recapitalizar a banca são apenas algumas das medidas impostas por Bruxelas que o Syriza terá agora com que avançar.

O desenlace das eleições, apesar de ter dizimado com as previsões das sondagens, não surpreendeu pela vitória do Syriza mas sim pela dimensão da mesma. Já nas eleições de Janeiro e no referendo de Julho todos os inquéritos deram sempre menos votos a Tsipras – ou ao lado que apoiava no referendo – do que aqueles que se verificaram na realidade. O mesmo aconteceu este domingo: o suposto “quase empate” resultou numa quase maioria de Tsipras.

Contra a vontade de Bruxelas, os gregos, chamados às urnas pela décima vez desde 2009, recusaram devolver o volante à direita conservadora e preferiram continuar com o timoneiro da esquerda radical, mesmo que este tenha sido forçado a capitular ao longo do Verão pelos credores. A lógica “ao menos resisti aos credores”, como tantas vezes disse Tsipras durante a campanha, terá resultado.

Abstenção e derrota Pouco menos de duas horas depois do fecho das urnas e ainda com menos de 30% dos votos contados Evangelos Meimarakis, líder da ND, concedeu a derrota e congratulou Tsipras. As sondagens à boca das urnas já evidenciavam uma diferença entre os partidos maior que a prevista nas sondagens, diferença essa que se foi alargando e consolidando à medida que a contagem dos votos avançava. O que também ia ficando cada vez mais evidente era a quantidade de eleitores que optou por não votar.

Ao longo do dia os relatos foram dando conta que a participação nestas eleições estava a um ritmo aquém dos últimos actos eleitorais na Grécia. Tanto que as eleições de ontem terão sido das menos participadas no país desde a II Guerra Mundial. Quase 44% dos eleitores não foi às urnas, quase mais dez pontos que em Janeiro de 2015 – quando se chegou a 35,38% de abstenção.

Direita “syrizada” Além da abstenção e da renovação da coligação eleita em Janeiro, as eleições de domingo evidenciam um aumento do peso dos partidos de esquerda, mesmo com o ligeiro recuo na votação de Alexis Tsipras. Os partidos de esquerda, tanto a favor como contra o resgate, superaram os 50% da votação total, que compara com os 46% de Janeiro. Esta subida surge apesar da ligeira queda do Syriza e apesar da Unidade Popular ter ficado aquém do previsto – partido que resultou da cisão da facção mais radical do Syriza e que ‘roubou’ deputados a Tsipras.

Já olhando para o lado direito do mapa ideológico, e apesar da ligeira recuperação da ND face aos resultados de Janeiro, se retirarmos das contas a Aurora Dourada, partido de extrema-direita, não mais de 35% dos gregos confiou o seu voto a este lado do espectro – valor sobe para 42,6% se acrescentarmos a extrema-direita, que viu a sua percentagem crescer de 6,28% para 7,23% – efeito de mais abstenção.

Os pequenos Além da vitória eleitoral, Alexis Tsipras conseguiu este domingo um resultado que lhe permite silenciar a oposição interna, em crescendo no Syriza desde o início do Verão. O avanço do terceiro resgate deixou grande parte da esquerda radical insatisfeita, com muitos a avançarem para a criação de um partido próprio, a Unidade Popular, contra o resgate e contra a permanência na moeda única.

Este novo partido, contudo, nem um deputado conseguiu eleger. A ex-presidente do Parlamento de Tsipras, Zoe Konstantopoulou, e Panagiotis Lafazanis, ex-ministro de Tsipras, estão assim também nos derrotados da noite, além de Meimarakis. Mas há mais.

A expectativa do To Potami era grande. Com as sondagens a colocarem Syriza e Nova Democracia taco a taco, o partido mais ao centro do espectro grego contava ser um dos trunfos chamados ao governo para desbloquear uma maioria. Nada mais errado. Caiu na votação, elegeu menos seis deputados e dada a votação de Syriza e ANEL, o governo não precisa de mais nenhum partido para chegar aos 151 deputados exigidos para a maioria.

Há ainda a salientar a ligeira recuperação encetada pelo Pasok, o partido socialista grego. Depois de quase ter desaparecido de cena em Janeiro, com menos de 5% dos votos, agora conseguiu elevar a sua votação para os 6,4% – subir pouco é melhor que continuar a cair. Ainda na esquerda, saliente-se que o Partido Comunista Grego (KKE) manteve a votação já obtida em Janeiro (c. 5,5%), perdendo no entanto um assento.

Já à direita, há a salientar a subida de votação dos neonazis da Aurora Dourada (6,3% para 7%), que no próximo parlamento devem contar com 19 deputados, mais dois que em Janeiro.

in: Jornal i, 20 Setembro 2015

Anúncios

Comentar

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s

%d bloggers like this: