Skip to content

21 Janeiro 1961. “O ciclo do ‘Rock and Roll está prestes a terminar?”

Em Janeiro de 1961, o “Diário de Lisboa” dedica duas páginas a explicar esse fenómeno musical que conquistava cada vez mais audiências, de seu nome “rock and roll”. As sonoridades frenéticas assustavam os ouvidos mais conservadores, de tal modo que ainda o rock andava a tentar perceber para onde iria, e já se anunciava a sua total decadência que, afinal, não era mais que a decadência dos seus ouvintes.

O jornal conta-nos então que o rock tinha nascido “há exactamente cinco anos e dois meses”, situando o nascimento do novo estilo musical quando “o cantor Tony Bennet entrou em cena com a pequena orquestra de Red Prysock” que aos primeiros acordes lançou a audiência num tumulto: “Após os gritos e os assobios, vieram os urros.”

A vida do rock and roll já então tinha os dias contados, até porque “não trouxe nada de muito novo” e as suas composições assentam em “harmonias de delirante monotonia”. O jornal salienta até que “os americanos estão-se desprendendo progressivamente do ‘rock and roll’, que para eles já não exprime o ritmo da hora presente. Outra música nova deve estar prestes a surgir”.

Como nasceu o Rock“; “A histeria colectiva“; “Os ‘rythm and blues‘”; “‘Rock around the Clock“; “A decadência do rock” são os cinco esteios desta reportagem sobre um estilo musical que provoca “uma verdadeira descarga nervosa” e que leva homens e mulheres “a rebolarem-se pelo chão”, sendo que até “havia quem arrancasse do solo as cadeiras e as arremessasse ao ar”.

E o que diz do “porquê” do sucesso em que se tornou rock?

“O rock and roll ou rock n’ roll, como passou depois a abreviar-se, parecia vir satisfazer uma ânsia de ritmo paroxístico, mescla de sensualidade, violência e ansiedade, experimentada por uma juventude trepidante e fortemente traumatizada pela velocidade da vida na grande metrópole americana.” 

“Fortemente traumatizada pela velocidade da vida…” Nada como viver num país pequeno, honrado e sem grandes modernices, certo?

Mas a verdade é que esta é uma moda musical…

“(…) que nada traz de muito novo, nem de muito válido para a evolução do jazz. Caracteriza-se por um ritmo pesado, muito acentuado e de uma frenética rapidez. Os seus temas apoiam-se por via de regra, em harmonias do ‘blue’, repetidas com a insistência de uma delirante monotonia.”

Não é assim estranho que o rock seja “bem mais fácil que os finais de trompete, por exemplo, dos grandes ‘jazzmen’, capazes de levarem o som ao rubro”. Mas apesar de tudo, o rock até tem bons executantes, “pois os há, apesar de tudo, com certo nível artístico.”

Exemplos? Elvis Presley e Paul Anka, que encaram o desvario contagioso e furor, a entrega dionisíaca que se pretende seja a pura expressão do ‘rock'”.

foto2Leitura imperdível:

21 jan 1961 - rock 121 jan 1961 - rock 2

 

   Fonte: Diário de Lisboa, arquivo Fundação Mário Soares

Anúncios

Comentar

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: