Skip to content

Desemprego. Três anos depois volta aos níveis de 2011 mas com menos 288 mil empregos

Portugal voltou aos 689 mil desempregados de Setembro de 2011. Mas hoje há menos emprego e mais subemprego

mkt lab

A economia portuguesa chegou ao final do terceiro trimestre com 689 mil desempregados, segundo dados avançados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE). O número representa uma taxa de desemprego de 13,1%, que compara com os 13,9% do trimestre anterior e os 15,5% do terceiro trimestre de 2013.

Mais do que olhar para as taxas, dos dados de ontem é de salientar o facto de estes mostrarem que o total de desempregados em Portugal em Setembro de 2014 coincide com o desemprego que Portugal registava à entrada da troika no país: no final de Setembro de 2011, o desemprego penalizava 689,6 mil trabalhadores em Portugal. O valor oficializado ontem é, assim, uma espécie de regresso à estaca zero, isto se olharmos apenas para o total de desempregados, já que em termos de composição do mercado laboral, e apesar daquela coincidência, algo mudou desde 2011. A começar pela taxa: com os mesmos 689 mil desempregados, a taxa de desemprego é hoje de 13,1% contra os 12,4% que 689 mil desempregados representavam em 2011. Culpa da fuga de activos do país.

Desde a entrada da troika e até o final do terceiro trimestre deste ano, a população activa registada em Portugal recuou em 289,4 mil pessoas, 60 mil dos quais desapareceram das faixas etárias mais novas – eram 460 mil activos entre os 15 e os 24 anos, hoje são 401 mil.

Além do recuo na população activa total, que caiu 5,2% desde o terceiro trimestre de 2011, também o total de empregos que a economia portuguesa absorve mudou nos últimos três anos: em Setembro último, e segundo o INE, havia 232,1 mil trabalhadores em situação de subemprego, um aumento de 10,4% face a Setembro de 2011, quando o subemprego era a solução possível para 210 mil pessoas em Portugal. O valor ontem oficializado, porém, implica um recuo face ao pico do subemprego – 266,5 mil casos registados em Junho de 2013.

Há hoje igualmente menos 5,9% de empregos na economia do que existiam em 2011, quando 4,85 milhões de pessoas tinham emprego, contra os 4,56 milhões actuais – menos 288,6 mil empregos. Assim, no terceiro trimestre de 2011, 87,6% da população activa tinha emprego e hoje a taxa está nos 86,9%.

Um outro factor a ter em atenção na evolução do mercado laboral, prende-se com o tipo de emprego existente. Segundo os dados do INE para o terceiro trimestre deste ano, Portugal continua abaixo dos quatro milhões de empregos a tempo completo – são 3,9 milhões, que comparam com 4,21 milhões em Setembro de 2011. Ainda na análise ao tipo de emprego, contam-se agora 595,5 mil trabalhadores a tempo parcial, valor que apesar de inferior ao de Setembro de 2011 (eram 639 mil), mantém o mesmo peso no total de emprego que naquele ano: 13% do emprego é a tempo parcial, em 2014 tal como era em 2011.

Já se juntarmos as situações de subemprego às situações de emprego parcial, conclui-se que estas situações, que eram responsáveis por 17,5% do emprego total em 2011, representam hoje 18,1% do total.

in: Jornal i, 6 Novembro 2014

Anúncios

Comentar

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s

%d bloggers like this: