Saltar para o conteúdo

Desemprego. Taxa recua 0,1, pontos para 15,5% em Novembro

Em Novembro havia 824 mil desempregados registados oficialmente em Portugal. Mas se a taxa global vai recuando, nos jovens o desemprego já vai nos 36,8%

A taxa de desemprego em Portugal estabilizou em torno dos 15,5% em Novembro de 2013, fechando três meses seguidos abaixo da fasquia dos 16%, capitalizando assim os recuos verificados ao longo da segunda metade de 2013 neste indicador. Segundo os números do Eurostat, ontem divulgados, em Novembro o desemprego em Portugal recuou de 15,6% para 15,5%, valor que compara com a taxa de 17% de desemprego registada em Novembro de 2012. Os valores significam a existência de 824 mil desempregados devidamente registados em Novembro, menos 6 mil que em Outubro e menos 91 mil que em Novembro de 2012.

O ano de 2013 continua assim marcado por dois extremos no mercado do trabalho. Se no primeiro trimestre a destruição de postos de trabalho continuou a um ritmo elevado, daí em diante a tendência inverteu-se, recolocando a taxa de desemprego portuguesa abaixo dos 16%. Todavia, os números mensais do desemprego vão evidenciando também uma desaceleração no ritmo de criação de emprego: em Junho o recuo no desemprego foi de quase um ponto percentual, seguindo-se nova queda de 0,5 pontos e depois 0,3 e 0,2 pontos. Agora a quebra de 0,1 pontos da taxa de desemprego, conjugada com a desaceleração já antes visível, parece apontar para uma tendência de estabilização do desemprego no país entre os 15% e os 16%. O INE divulgará a 4 de Fevereiro próximo os dados do desemprego em Portugal no final do ano, relativos ao último trimestre de 2013.

Os valores registados em Novembro pelo Eurostat representam também o nível de desemprego oficial mais baixo nos últimos 18 meses, desde Maio de 2012, marcando o nono mês consecutivo de quedas nesta taxa. Apesar da evolução positiva, muito alimentada pela emigração e por empregos remunerados abaixo do mínimo legal, o governo prevê que 2014 ainda seja um ano de desemprego elevado: as mais recentes previsões do executivo falam numa taxa média de 17,7% em 2014, ao passo que o Banco de Portugal antevê uma média de 16,1%. Ambas as previsões anunciam portanto o regresso da destruição de empregos.

Na Europa  Apesar da evolução positiva, Portugal continua a ser dos países europeus com uma das taxas de desemprego mais elevadas, apenas superado pela Grécia (27,4%), por Espanha (26,7%), pela Croácia (18,6%) e por Chipre (17,3%). Já do outro lado da balança estão os países que mais têm beneficiado com a crise que se instalou na Europa e que foi potenciada pelos resgates. A Alemanha continua com níveis historicamente baixos de desemprego (5,2%), sendo acompanhada pela Áustria (4,8%), pelo Luxemburgo (6,1%) e pela Holanda (6,9%). Em Novembro havia 26,5 milhões de desempregados na Europa.

in: Jornal i, 9 Janeiro 2014

Anúncios

Comentar

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: