Saltar para o conteúdo

BESgate. Governo e BdP unem esforços: “Circulem! Não há nada para ver!”

Executivo e Banco de Portugal decidiram ontem lançar apelos à calma a depositantes e clientes do Banco Espírito Santo. O banco é sólido, fizeram questão de garantir

O Banco de Portugal e o governo vieram ontem a público lembrar que há uma diferença entre o Banco Espírito Santo (BES) e o resto da família. Se uns estão em apertos financeiros, o outro está protegido desses problemas, foi a mensagem que se procurou transmitir.

O banco central enviou ontem para as redacções uma nota a referir isto mesmo. “A situação de solvabilidade do BES é sólida, tendo sido significativamente reforçada com o recente aumento de capital”, aponta o regulador bancário. “O Banco de Portugal tem vindo a adoptar um conjunto de acções de supervisão, traduzidas em determinações específicas dirigidas à ESFG [Espírito Santo Financial Group] e ao BES, para evitar riscos de contágio ao banco resultantes do ramo não financeiro do GES [Grupo Espírito Santo]”, informou o BdP.

O banco central relembra que só tem competências para lidar com os ramos financeiros dos tentáculos do Espírito Santo. “O Banco de Portugal tem a responsabilidade de supervisionar apenas parte do ramo financeiro do GES”, informam, especificando que nesses ramos está a ESFG, que até ao aumento de capital de 16 de Junho detinha a maior fatia do banco. Já as entidades do ramo não financeiro do GES “não se encontram sujeitas à supervisão do Banco de Portugal”, mas o BdP avançou entretanto com “determinações específicas dirigidas à ESFG e ao BES para evitar riscos de contágio ao banco resultantes do ramo não financeiro do GES”, asseguram.

Poucas horas depois foi a vez de o governo repetir a mensagem. Marques Guedes, ministro dos Assuntos Parlamentares, declarou que o “Banco de Portugal afiança que não existem quaisquer problemas de solidez da parte do banco. Os depositantes do banco podem estar perfeitamente tranquilos”. O ministro falava depois da reunião do Conselho de Ministros de ontem. “O BES está adequadamente isolado pelo Banco de Portugal relativamente a outros problemas financeiros que existem dentro do grupo”, afirmou ainda, referindo que não se pode “tomar a árvore pela floresta”.

O governante ainda sublinhou que o supervisor bancário está atento à questão, razão pela qual “poderá dar segurança e tranquilidade, em particular aos depositantes, de que não vão ser afectados, minimamente, no seu relacionamento com o banco”. Marques Guedes ainda referiu que, além do BdP, também o próprio executivo está a acompanhar o caso: “Responsavelmente, todos nós seguimos. Temos é a tranquilidade de saber que as entidades que estão responsáveis há muito que vêm acompanhando esta situação e estão a tomar as medidas adequadas”, garantiu.

ESFG:Exposição de 2350 milhões ao “Bad Ges”

O Espírito Santo Financial Group (ESFG), dono de 25,1%do BES, revelou ontem, depois do fecho do mercado, que desde o final de 2013 passou de uma exposição total aos ramos não financeiros do império Espírito Santo de 1,37 mil milhões de euros para mais de 2,3 mil milhões de euros. Este aumento, explicam, visou “apoiar o reembolso do papel comercial detido por clientes de retalho dos bancos que são subsidiárias do ESFG”, como o Banco Espírito Santo.

in: Jornal i, 4 Julho 2014

Comentar

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: