Saltar para o conteúdo

Grécia. A democracia é a pior inimiga do euro?

Ninguém quer estar na pele de Papandreou. Já poucos gostam dele na Grécia, incluindo o seu próprio partido, e agora é a vez de os pares europeus odiarem o primeiro-ministro grego. Tudo porque o berço da democracia decidiu levar a referendo o segundo pacote de ajuda acordado com a União Europeia. Por cá, a surpresa grega fez logo soar os sinais de alarme. Para o ministro dos Negócios Estrangeiros, Paulo Portas – o único membro do governo a falar –, a consulta popular aos gregos é um “factor de insegurança e imprevisibilidade” logo no momento “em que a Europa mais precisa de sinais deconfiança”.

Mas haveria outro caminho possível com o crescendo da contestação em Atenas? Não, mas os riscos do referendo são demasiado altos, dizem economistas e políticos ouvidos pelo i, que, contudo, não vêem necessidade de um referendo por cá. [Ler mais]

[Ver em página – Parte 1]

[Ver em página – Parte 2]

in: Jornal i, 2 Novembro 2011

Anúncios

Comentar

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: